• Home
  • 2020
  • September

Nova Cirurgia Para Acabar com a Impotência Sexual

Felizmente, a vida moderna não traz apenas mais problemas para o nosso dia a dia, mas soluções também para problemas antigos. Assim, uma nova cirurgia apareceu para livrar muitos homens do fantasma da impotência sexual.

A Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista de Botucatu anunciou uma nova técnica que promete corrigir a impotência sexual em homens que retiraram a próstata: a reinervação peniana.

Na verdade, essa cirurgia significa um grande avanço e uma enorme esperança para muitos homens, já que é preciso considerar que quando pacientes com câncer precisam remover a glândula masculina, na maioria das vezes isso resulta em impotência sexual.

Segundo os pesquisadores envolvidos, já foram operados 62 homens, com uma taxa de sucesso de 60%, ou seja, seis em cada dez voltaram a ter “capacidade de ereção” durante o ato sexual.

Já, os 40% restantes demonstraram grande melhora na ereção, sem dúvida, devolvendo sua qualidade de vida. Uma outra forma de melhorar a ereção é fazendo o uso do estimulante motumbo, ele é um produto natural que ajuda melhorar o desempenho sexual.

Como é realizado o procedimento

Basicamente, o procedimento retira um nervo da perna, o sural, criando com ele uma ligação entre o nervo femoral e o pênis.

O nervo femoral passa pela região da bacia, passando sensibilidade e força para a coxa e os músculos envolvidos na caminhada. Embora não esteja envolvido na ereção, por ativar movimentos corporais, surgiu a ideia de utilizá-lo para substituir o nervo cavernoso, que comanda a ereção do pênis.

Então, com a criação desse atalho, o cérebro passa a enviar estímulos ao órgão sexual por esse novo caminho, ou seja, o nervo utilizado para andar passa a responder também pela ereção.

Para quem serve essa cirurgia de reinervação peniana

Sem dúvida, o principal público-alvo é composto por aqueles homens que precisam retirar a próstata para tratar um tumor maligno na glândula, que é o segundo tipo de câncer mais frequente entre o sexo masculino, perdendo apenas para o câncer de pele.

Como a cirurgia de remoção costuma deixar uma lesão no nervo cavernoso, com o membro perdendo sua sensibilidade, isso seria corrigido com essa nova técnica.

Mas, embora esse seja o público alvo, se espera que outros grupos acabem sendo beneficiados, como diabéticos, já que a doença costuma prejudicar o sistema nervoso dos membros, muitas vezes, causando impotência sexual.

Outro grupo diz respeito a quem passa por algum trauma na bacia – como fratura decorrente de um acidente. Embora isso ainda esteja sendo estudado, se acredita que o método possa ser eficaz para todos que sofrem pequenas perdas vasculares.

A cirurgia

Para passar pela cirurgia, primeiramente, o paciente precisa receber uma anestesia geral ou peridural.

Depois, são realizadas incisões nos dois lados da virilha, na base do pênis e nas laterais de ambas as pernas.

Então, é retirado o nervo sural, responsável apenas pela sensibilidade de uma parte dos pés, ele é dividido em dois,com cada metade sendo inserida em um lado da virilha.

Vale saber que a cirurgia tem duração de cinco horas, e a recuperação é feita com treinamentos de excitação, os quais envolvem estímulos visuais e masturbação, incentivando a ereção.

Até o momento, fora o incômodo normal da cirurgia em si, não foram registrados efeitos colaterais.

Embora os resultados sejam animadores, no entanto, essa técnica ainda não chegou ao SUS e planos de saúde, por isso, quem deseja realizar essa cirurgia, no momento, precisa entrar na lista de espera da Faculdade de Medicina de Botucatu, sendo que a instituição tem capacidade para operar só 17 pacientes ao ano.

Sabendo desde já que, atualmente,  o tratamento para impotência sexual é feito à base de remédios ou injeções aplicadas pouco antes da relação, ou ainda, cirurgias para implantação de próteses penianas.

Agora, portanto, é torcer para que a técnica chegue logo a todos os hospitais do país.